Pogust Goodhead entra com ação coletiva antitruste contra a Apple

9 de abril de 2024
Homem segurando um iPhone da Apple

Em 1º de abril de 2024, Pogust Goodhead entrou com uma ação coletiva antitruste em nome de indivíduos que compraram iPhones diretamente da Apple Inc.

O processo alega um comportamento anticoncorrencial que resultou em preços mais elevados, menor qualidade, inovação reduzida e escolha reduzida para os consumidores.

O processo alega que a Apple prendeu os consumidores em seu ecossistema de produtos, bloqueando-os no uso do iPhone e bloqueando produtos concorrentes.

No ano passado, a Apple gerou receita líquida anual de US$ 383 bilhões, superando qualquer outra empresa na Fortune 500.

A denúncia alega que isso não foi alcançado tornando seus produtos melhores, mais baratos e mais seguros, mas criando barreiras artificiais para impedir que os usuários comprassem dispositivos concorrentes.

"Queremos mercados funcionais, onde as empresas concorram por mérito, inovação e preço. A Apple se apresenta aos consumidores como hipermoderna e progressista, igualitária até, colocando o mundo na ponta dos dedos de seus clientes. Mas, na realidade, eles estão impedindo a concorrência para espremer dólares de seus clientes."

Jeffrey Gittleman, Sócio e Presidente da Prática de Direito Concorrencial e Antitruste Global, Pogust Goodhead

Processo do Departamento de Justiça contra a Apple

Isso vem na esteira de um processo antitruste altamente antecipado movido em março de 2024 pelo Departamento de Justiça dos EUA contra a Apple, alegando que a gigante da tecnologia monopolizou os mercados de smartphones por meio de práticas anticompetitivas.

A ação, apresentada no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Nova Jersey, acusa a Apple de sufocar a concorrência, prejudicar a inovação e inchar os lucros às custas dos consumidores por meio de um curso de conduta que inclui bloquear e interromper o desenvolvimento de serviços que permitiriam aos consumidores acessar aplicativos sem ter que pagar por hardware caro ou alternar entre plataformas de smartphones concorrentes e reduzir deliberadamente a qualidade. segurança e funcionalidade de mensagens multiplataforma e smartwatches para que os clientes tenham que continuar comprando iPhones.

Altos funcionários do Departamento de Justiça comentaram o arquivamento do processo antitruste do governo contra a Apple.

"Os consumidores não devem ter que pagar preços mais altos porque as empresas violam as leis antitruste." – Procurador-Geral Merrick B. Garland

"Não importa quão poderosa, não importa quão proeminente, não importa quão popular - nenhuma empresa está acima da lei." – Procuradora-geral adjunta Lisa Monaco

O Departamento de Justiça visa restaurar a concorrência na indústria de smartphones e garantir acesso justo à distribuição de aplicativos para desenvolvedores. Esta ação legal representa um passo significativo do governo dos EUA para lidar com o comportamento monopolista no setor de tecnologia.

A equipe de concorrência e antitruste da Pogust Goodhead tem ampla experiência na representação de vítimas de todos os tipos de condutas anticompetitivas, desde cartéis de fixação de preços até monopólios ilegais.

Se você tiver dúvidas ou informações relacionadas ao caso antitruste da Apple, entre em contato com Jeffrey Gittleman. Se você tiver alguma dúvida sobre a mídia, entre em contato com cknecht@pogustgoodhead.com.

Mais imprensa

Empresas automobilísticas francesas não conseguem impedir o processo de fraude de emissões
Uma decisão do Tribunal Superior rejeitou as alegações da Peugeot Citroën e da Renault de que não poderiam cooperar com um processo judicial inglês sobre emissões.
Leia mais
Vítimas do desastre da barragem de Brumadinho exigem justiça da TÜV SÜD
As vítimas do desastre de Brumadinho foram até a sede da TÜV SÜD em Munique para exigir justiça.
Leia mais
Litígio do grupo Fiat Chrysler/Suzuki sobre emissões de NOx de diesel
A Suprema Corte emitiu uma Ordem de Litígio de Grupo em relação a uma Ação de Grupo a ser movida contra a Fiat Chrysler/Suzuki.
Leia mais